Merry Christmas!!

 

Merry Christmas!!

Natal, eu vejo as pessoas perdidas nos presentes e eu me perco nos presentes, nas mesas fartas, planejamentos das festas e em toda energia de excitação que o mês de dezembro traz no ar.

É o momento de celebrarmos o nosso ano e de deixarmos renascer em nossos corações o amor, a paz e a esperança. É um período mais sensível e de conexão mais profunda com a família, amigos e todos que fazem parte das nossas vidas.

E eu me conecto com este momento incrível para dizer obrigada!

Obrigada por cada experiência e pessoa que passou na minha vida este ano!! Amo cada um de vocês que cruzaram o meu caminho virtual ou presencialmente e me permitiram fazer parte!! Gratidão…

E o meu desejo é que consigamos nos conectar com este sentimento de celebração sempre. Feliz Natal!!!!

 com amor Lu Cordeiro

 

Crie relacionamentos positivos

De algumas pessoas gostamos imediatamente e outras parecem ter vindo de outro planeta. Essa percepção depende da energia, pois fica muito mais fácil quando as pessoas estão literalmente na mesma frequência energética que nós. Na vida particular, podemos selecionar nossos amigos, no trabalho, temos que nos dar bem com gente difícil. Como conseguir criar relacionamentos positivos com pessoas com energia diferente da nossa? Segue algumas dicas de Programação Neurolinguística.

– Linguagem Corporal

O contato visual e fundamental para criar um relacionamento positivo, tente encontrar um nível comum, mas não deixe que ele interfira na comunicação.

Preste atenção na pessoa, ela está sentada ou em pé? Sua postura é relaxada ou forma? A cabeça está ereta ou inclinada para o lado? Imite sutilmente a postura dela – sem deixar que ela perceba.

Deixe a outra pessoa estabelece distância entre vocês. Se ela se aproximar, não se afaste. Da mesma forma não se aproxime dela.

Qual o contato visual estabelecido? Tente mantê-lo.

Preste atenção na respiração da pessoa. O ar desce até o peito, o diafragma ou o abdome? Se puder, mude sua respiração de acordo com a dela.

Como essa pessoa fala? Rápido ou devagar? Tom alto ou suave? Não imite a maneira de falar usada por ela, mas se você perceber que sua fala está muito diferente, ajuste-a.

– Linguagem verbal

Preste atenção na pessoa, muitas pessoas tem um sentido predileto, no qual confia quando reage ao mundo: visual, auditivo ou cinestésico (perceptivo). Você consegue perceber por meio de expressões.

Visual – “Ao meu ver.…”, “Estou vendo…”, “Meu ponto de vista…”, “Veja bem…”

Auditivo – “Estou ouvindo…”, “O que você me diz de …”, “Escute só…”, “Quero ouvir tudo…”.

Cinestésico – “Tenho a sensação de que…”, “Aponte as questões…”, “Segure as pontas…”, “Vamos pôr a mão na massa”.

Você pode então entrar no ritmo dela, usando expressões que combinem com sua linguagem. Isso a torna mais receptiva e a faz sentir que vocês estão na mesma frequência.

 

Conexão com a nossa melhor parte…

Aquela sensação gostosa de empolgação ou simplesmente um sentimento de bem-estar que pode acontecer em diversas situações como em algo que você vem querendo há muito tempo, ou simplesmente na contemplação de um momento de paz.

Muitos amigos me perguntaram porque eu parei de escrever no blog com a frequência que estava fazendo na minha licença maternidade, e eu parei para pensar no que estava acontecendo, porque eu não estava fazendo algo que eu simplesmente adoro fazer…

Nas meditações diárias a resposta veio. Simplesmente não quero fazer o que amo fazer por fazer, quero estar conectada com a minha essência, para quando as pessoas lerem o meu blog simplesmente sentirem o sentimento incrível que estou sentindo ao compartilhar cada texto, cada experiência.

E a pergunta veio, porque não estou conectada todos os dias? O que acontece que faz com que nós nos desconectemos com a nossa melhor parte, com a nossa luz?

Simplesmente acontece a desconexão com a rotina diária, com as obrigações, com as exigências do mundo moderno, e está tudo bem. Demorei para aceitar que não serão todos os dias que estarei saltitante, pois onde há luz encontramos a sombra e o equilíbrio delas que nos faz uma pessoa melhor. Temos que reconhecer a nossa melhor e pior parte, pois somente através deste reconhecimento conseguiremos nos observar e nos vigiar.

Qual a sacada desta descoberta?

O autoconhecimento, pois quando procuramos nos conhecer melhor conseguiremos perceber que estamos na sombra e fazer o caminho de volta para encontrarmos a nossa luz, sem dramas e sem melindres.

com amor Lu Cordeiro

 

Ame quem você é…

Para aprendermos a nos amar, é preciso nos conhecer. Dificilmente amamos algo ou alguém sem nos relacionar e criar um vínculo com isso.

No mundo agitado em que vivemos atualmente, sobra pouco tempo para refletirmos profundamente sobre o dia a dia e mais raras ainda são as reflexões sobre a vida.

Acordamos, vivemos um dia realizando tarefas, desempenhando papeis, e nem percebemos que, quando anoitecer, já é hora de irmos para casa, descansar. Acabamos por dispensar poucos momentos para pensar a respeito do que sentimos e do que precisamos aprender.

Ao analisar nosso cotidiano, poderemos compreender também o nosso universo interno: emoções, sentimentos e pensamentos, os quais regem o nosso estado de espirito.

E será que sabemos do que precisa nosso universo interior?

Será que nossa meta principal é acordar, fazer a higiene diária do corpo físico, tomar café, sair para o trabalho ou fazer as atividades rotineiras, almoçar, voltar ao trabalho, ir para casa, jantar cuidar da família e dos afazeres de casa, descansar, dormir, acordar e começar tudo de novo do mesmo jeito, sempre?

Não sei você, mas eu não consigo mais acreditar que o objetivo de viver seja apenas esta rotina e sempre da mesma maneira. É quase impossível crer que não conseguimos experimentar o que a vida pode nos oferecer de melhor.

E como saberemos o que é melhor?

Fazendo um mergulho para dentro de nós mesmos. Compreendendo as fases da vida de forma profunda, percebendo que é possível realizar o que queremos desde que saibamos quais são os nossos verdadeiros valores.

Será que as escolhas que nós fizemos durante a vida estão alinhados com a nossa essência?

Bem, esta pergunta será respondida quando escolhermos amar a pessoa que somos e tomarmos consciência do que nos traz paz.

Devido às dificuldades, acabamos tendo poucos sonhos e, quando temos, achamos que é impossível realiza-los, porque não nos sentimos merecedores.

Qual a solução?

Através do autoconhecimento, pois conseguimos curar sentimentos e emoções que impedem o crescimento, harmonizar-se com as escolhas, com outros seres e por último provar para si e para as outras pessoas que é possível, sim, mudar e ser feliz. Podemos aprender a cultivar essas experiências todos os dias, como se plantássemos uma semente na terra. Aos poucos, de acordo com cada atitude que tomamos rumo a construção desta consciência, vamos regando-a para que ela germine.

Quando as coisas começam a fluir naturalmente, é porque estamos fazendo a coisa certa ou optamos pelo melhor caminho.

O TEXTO FOI BASEADO NO LIVRO – AME QUEM VOCÊ Ë – CATIA BAZZAN.

 

O meu primeiro dia das mães…

Este é o meu primeiro dia das mães e foi incrível a sensação na primeira festinha da escolinha e o primeiro dia sendo homenageada como mãe. Aquele momento em que você está com o seu bebê agarradinho e seus olhos ficam marejados de lágrimas, pensando que no ano anterior ele era apenas uma sementinha dentro de você. Você se sente uma boba pois olha no lado e só você está chorando.

Passei anos procurando me encontrar e entender quem eu sou, e já no nascimento eu me redescobri um ser forte e capaz de superar meus limites, fazer uma passagem pela dor do parto normal sem anestesia, como se fosse a própria morte, e sim foi a dor da morte (como se eu conhecesse), mas é a forma que tenho para descrever algo que pensei que não conseguiria, enfim a superação e a avalanche de amor com um sentimento de que passaria tudo novamente só para tê-lo nos meus braços e o sentimento de que sou forte e o mundo não me diz mais não..hahah (foi esta a sensação..).

Sete meses de vida e grandes transformações em mim. Viagens, carreira, tudo gratificante, mas nada como a avalanche que é um filho.

O que é mais curioso é a intensidade com o qual fazemos as coisas, pois o tempo é curto e precisa ser bem feito, você passa a trabalhar com mais vontade e dedicação, afinal, existe um pequeno ser totalmente dependente de você.

A vida tem um sentido diferente e tem um proposito que antes era desconhecido. Quando eu olho para aqueles braços abertos querendo o meu colo e aquele sorriso banguela, o sentimento de gratidão transborda dentro do meu ser, gratidão pela oportunidade de ser mãe…

 

Você sabe o que é ser minimalista?

Uma de minhas ultimas curiosidades é sobre minimalismo, tenho escutado bastante sobre o assunto e fiquei curiosa sobre o tema “vida minimalista”. Nas minhas pesquisas uma grande surpresa, não é um bicho de sete cabeças e não se aplica somente em roupas, mas sim na vida.

Vida minimalista consiste no comportamento e no consumo consciente, não é ter menos do que você precisa, mas sim ter o suficiente.

No nascimento do Lucas eu comecei a perceber que eu uso sempre as mesmas peças, porém o meu habito de compra não parou e a vontade de consumir existe. Muitas vezes no guarda roupa peças com etiquetas e na minha cabeça a culpa pela empolgação da compra.

Iniciei um trabalho de educação financeira e para entender um pouco mais quais são as minhas emoções que motivam a compra, comecei a fazer um exercício proposto pelo Roberto Navarro (mente milionária). Quando comecei a entender as emoções que me levam a fazer a compra fiquei surpresa, pois a maioria das compras não são por necessidade, mas sim motivada por alguma emoção. Estou neste processo de autoanálise e já vejo melhoras na qualidade da compra, fico empolgada, porém quando eu penso na emoção que está motivando a compra eu foco e não estou me deixando levar pelo meu subconsciente.

No livro “A mágica da arrumação – Marie Kondo” ela nos propõe ter somente coisas que nos sentimos incríveis, tirando o excesso e deixarmos a energia fluir na nossa vida. Na pratica de arrumação do guarda roupa por exemplo, você precisa pegar a peça e avaliar o sentimento que tem sobre cada item, se for de felicidade você pode manter, porém se for de apego você precisa se livrar.

No curso do Roberto Navarro ele ensina, não só ter coisas que te fazem feliz, mas sim ganhar dinheiro com as coisas que não fazem mais, por exemplo, fazer uma limpeza na casa e todos os itens que se tornaram um fardo e não utilizado colocar para doação ou venda.

Estou me preparando para iniciar a limpeza do guarda roupa e colocar em pratica estes exercícios, afinal consumindo menos temos uma vida mais leve e mais prosperidade.

Tem coragem para o desafio? Vamos tentar ser minimalistas?

 

 

Você conhece os cinco comportamentos que podem estar matando os seus sonhos?

Quando pensamos na marca que queremos deixar no universo, é impressionante ver o quanto há em comum entre os sonhos que temos e os projetos que nunca se concretizam.

Existe cinco formas de não realizar os nossos sonhos:

1 – Acreditar no sucesso instantâneo: Escutamos várias histórias de sucesso, e muitas vezes estas pessoas contam de forma simplificada sobre o caminho que fizeram para realizar os próprios sonhos e alcançar o sucesso, a história pode parecer real, porém esta incompleta. Se investigarem a fundo, esta pessoa vem trabalhando nisso há muito tempo.

2 – Acreditar que alguém tem resposta para dar: Constantemente, as pessoas querem nos ajudar, todos os tipos de pessoas, família, amigos, parceiro de negócios, todos eles têm opiniões sobre o caminho que devemos seguir, quando ouvimos eles e não as respostas dentro de nós, estamos matando os nossos sonhos.

3- Decidimos acomodar-se quando o crescimento é garantido: Quando estamos em uma situação confortável, simplesmente paramos e nos acomodamos, o que nos impede de dar o próximo passo e de alcançarmos picos mais elevados de crescimento. Não há tempo para nos acomodarmos.

4 – Acreditar que o erro é dos outros: A culpa sempre é da crise, do governo, da família, enfim, enquanto culpamos qualquer um pelos nossos fracassos nunca atingiremos os nossos sonhos, pois se tivermos sonhos é nossa responsabilidade de faze-los acontecer. Se não acontecer, a culpa é nossa e de mais ninguém. Sejam responsáveis pelos vossos sonhos.

5 – Acreditar que apenas os próprios objetivos importam: A vida nunca é acerca dos objetivos propriamente ditos, mas sim do percurso. A única forma de realmente concretizar todos os nossos sonhos é desfrutar plenamente de cada passo do percurso.

E o nosso percurso é simples, pois é feito de passos. Alguns passos serão acertados, as vezes vamos tropeçar. Se forem acertados, celebrem, porque há quem espere muito para o fazer. E se tropeçarem, transforme a experiência em aprendizagem. Se cada passo se tornar algo apara aprender ou algo para celebrar vamos com certeza apreciar o percurso.

Autora – Bel Pesce.

Você consegue controlar as emoções quando recebe críticas?

Para muitas pessoas receber elogios é muito importante, porém quando os feedbacks são negativos sofrem muito. Normalmente é bem desafiador receber críticas de pessoas que não conseguem se expressar de forma clara e amorosa.

Você sabia que o feedback negativo ou positivo não traz informações sobre você, mas sim sobre quem dá o feedback?

Sim, quando uma pessoa faz uma crítica ou elogio ela simplesmente está fornecendo informações de um caminho em que ela acredita, de acordo com os valores dela ou da organização em que trabalha. Com esta visão, não precisa ficar desesperado quando receber críticas, você só precisa analisar se quer ou não seguir o caminho indicado pela pessoa e se você acredita nos mesmos valores.

Algumas estratégias para libertar-se do jugo do elogio e da crítica

  1. Ao receber feedback – negativo ou positivo, lembre-se de que ele não traz informações sobre você, mas sobre quem dá o feedback. Pergunte-se: “O que isso me diz sobre quem está fazendo a crítica? O que informa sobre as preferencias ou prioridades das pessoas que desejo alcançar? O que isso me ensina sobre como realizar meu trabalho com mais eficácia? ”
  2. Identifique o feedback de quem você precisa incorporar ao seu trabalho, por motivos estratégicos, para alcançar as pessoas almejadas e lembre-se de que pode ignorar outros feedbacks.
  3. Quando a crítica machucar de verdade ou quando você tem muito medo de certo tipo de crítica, analise até que ponto ela reflete uma convicção sua a respeito de si mesma e reveja esta convicção.
  4. Ao descobrir que a busca de certo tipo de elogio é que o impulsiona, olhe para dentro de si e veja de que forma esse elogio se relaciona a uma dúvida que você nutre a seu respeito e esforce-se para enfrentar esse questionamento interior em vez de buscar validação externa na tentativa de resolvê-lo.
  5. Pergunte a si mesma: “O que é mais importante para mim do que receber elogios? ”

Autora – Tara Mohr